Buscar

Macron quer implantar lei que vai tirar direitos trabalhistas


Do Vermelho - O primeiro-ministro Édouard Philippe e o ministro do Trabalho, Muriel Pénicaud, apresentaram nessa quinta-feira (31) o conteúdo das decisões que reformam o Código do Trabalho Francês.

O primeiro-ministro francês, Edouard Philippe, e o ministro do Trabalho, Muriel Pénicaud, dão uma conferência de imprensa após uma reunião sobre o novo código trabalhista. Fotografia: Alain Jocard / AFP / Getty ImagesFim do suspense. Ontem, Édouard Philippe e Muriel Pénicaud levantaram o véu sobre o conteúdo das decisões que reformaram o Código do Trabalho. Cinco textos, 36 medidas em quase 200 páginas, cuja publicação encerra a cena orquestrada pelo governo que conscientemente e durante meses manteve a famosa "Lei 10 de poder trabalhista". De acordo com o ministro do trabalho: “O candidato Macron pediu seus votos e o primeiro-ministro recebeu ontem uma reforma ambiciosa, equilibrada e justa, que mudará o espírito do Código do Trabalho”.

Parece que sempre são necessárias adaptações às inevitáveis evoluções do mundo do trabalho e do que foi conquistado nele. Em essência, a reforma equivale a perseguissão da política dos direitos trabalhistas, cedendo a demanda dos donos dos meios de produção. Ao facilitar as contratações e demissões, organiza-se o enfraquecimento dos poderes dos funcionários pois eles se tornam descartáveis.

O executivo está de acordo com as políticas liberais perpetuadas ao longo das décadas, encorajados pela desregulamentação das leis de trabalho europeias e que nunca ajudaram combater o desemprego em massa.

Édouard Philippe repetiu na quinta-feira: "A França permanecerá como um estado de direito social. Mas, acrescentou o primeiro-ministro, é preciso estar ciente da situação em nosso país e das décadas de desemprego em massa. Adicionando isso, ninguém pode argumentar hoje que os direitos trabalhistas promovem a contratação", A nova maioria estabeleceu a tarefa de fazer "uma grande transformação para reparar o país", continuou ele.

Em quatro áreas, de acordo com o executivo, esta reforma do Código do Trabalho "dá prioridade às Micro Empresas (VSEs) e pequenas e medias empresas (PMEs)"( No futuro, as empresas com menos de 20 funcionários poderão negociar diretamente com os funcionários os termos e condições de trabalho), "desenvolve massivamente o diálogo social dentro da empresa e na indústria", introduz "novos direitos e novas proteções para funcionários e reforça a atratividade econômica do território ".

Mas, na prática, subvaloriza os direitos e revoga a hierarquia das normas: a lei não será mais um acervo de direitos, as negociações terão mais poder do que elas. As organizações de empregadores, o Movimento das empresas da França (Medef) na liderança, e os sindicatos ( que estão divididos, alguns organizam uma retaliação). A Confederação Geral do Trabalho (CGT) - viu "todos os seus medos sendo confirmados" - e A União Sindical Solidaires pede uma mobilização em 12 de setembro, mobilização para a qual a Confederação Francesa de Gestão (CFE-CGC) irá participar. E a Confederação Francesa Democrática do Trabalho (CFDT), "decepcionada", organizará reuniões nas empresas em outubro.

Laurent Berger, chefe do sindicato da CFDT, disse que seus membros estão preocupados com a remoção da influência do sindicato, particularmente nas pequenas e médias empresas. Os líderes sindicais temem que as medidas deixem os trabalhadores vulneráveis à pressão e aos maus-tratos pelos chefes.

"Estamos desapontados e nós fizemos o primeiro ministro saber disso. Nosso único objetivo é melhorar a situação dos trabalhadores, uma empresa não é uma entidade proprietária, mas uma entidade coletiva na qual a voz do trabalhador deve ser ouvida", Berger disse depois de ter dado detalhes dos decretos.

O texto da reforma "está parado, mas está completo", insistiu Édouard Philippe. "Pode ser modificado, mas pouco", continuou ele. Em suma, o governo quer avançar rapidamente, fazendo negociações com os sindicatos. As decisões, após o Conselho de Estado, serão apresentadas em 22 de setembro no Conselho de Ministros. Uma vez assinado por Emmanuel Macron, eles entrarão em vigor no final de setembro, assegurou Édouard Philippe. A menos que a amplitude das mobilizações reverta as coisas

Do Vermelho com o L'Humanite e o The Guardian

#EmmanuelMacron