Coronavírus na América Latina: saiba como está a situação de cada país

1-May-2020

Do Brasil de Fato - A América Latina registra quase 213 mil casos positivos para a covid-19 e 11,1 mil falecidos. Um dos últimos continentes a ser afetado pela pandemia, o primeiro doente foi registrado no Brasil, no dia 26 de fevereiro, um homem, paulista, de 61 anos, que havia voltado de uma viagem turística à região de Vêneto, na Itália. Mesmo com crescimento exponencial nas estatísticas, o secretário geral da Organização Mundial da Saúde (OMS), Tedros Adhanom, assegura que há subnotificação por falta de testes disponíveis no território latino-americano. 

 

O Brasil não só foi o país onde se iniciou o contágio. É também o mais afetado da região, com 85,3 mil casos e 5.901 mortes. Seguido do Peru, com mais de 37 mil casos e do Equador com 25,6 mil. 

 

O Brasil de Fato destacou algumas informações básicas do avanço da pandemia na região e as ações assumidas pelos governos locais. 

 

América do Norte

 

México

Já são 17.799 infectados com o novo coronavírus e 1.732 falecidos, o governo afirma que o país atravessa a fase três da infecção, com uma taxa de 3,9 doentes para cada 100 mil habitantes. Cerca de 23% dos leitos disponíveis em todo o território mexicano para pacientes com covid-19 já estão ocupados.

 

As zonas metropolitanas da Cidade do México, Baja California e Tijuana são as regiões mais afetadas, com mais de 50% de lotação hospitalar. Até o 30 de abril, o país vive sob estado de emergência sanitária nacional, declarada em 31 de março pelo presidente Andrés Manuel López Obrador, que estabeleceu o isolamento social e a paralisação dos serviços que não fossem essenciais. No entanto, Obrador afirmou na segunda-feira (27) que 13% das empresas privadas não essenciais continuavam funcionando.

 

O Executivo adotou um plano de economia do Estado, que inclui a suspensão de contratações no serviço público durante 2020, o corte de 25% dos altos salários e a emissão de créditos para pequenas e médias empresas e para trabalhadores informais, que representam mais de 50% da população economicamente ativa.

 

Segundo o Ministério de Relações Exteriores, 615 mexicanos faleceram no exterior, 90%

nos Estados Unidos.

 

América Central 

 

Guatemala 

O país tem atualmente 585 infectados e 16 falecidos. Na quarta-feira (29) o presidente Alejandro Giammattei estendeu por mais 30 dias o estado de calamidade nacional. 

 

De acordo com o Ministério da Saúde, 75% dos cidadãos deportados dos Estados Unidos estavam contaminados com a doença. Por isso, desde o dia 18 de abril, o governo guatemalteco suspendeu os voos com deportações dos Estados Unidos, exigindo que seja emitido um certificado sobre a saúde dos viajantes. 

 

A comissão presidencial contra a corrupção investiga casos de superfaturamento de até 300% na compra de equipamentos de proteção individual (EPIs).

O Congresso debate um projeto de lei de anistia para presos por crimes que não sejam considerados graves, a fim de evitar a superlotação das penitenciárias e a dispersão do vírus. 

 

Honduras

Até o dia 28 de abril, haviam sido computados 771 infectados e 71 mortos pelo novo coronavírus. De acordo com estudos científicos da plataforma "Todos Unidos contra a covid-19", o novo vírus poderia afetar 20% da população hondurenha até junho.

 

Está mantida a quarentena a nível nacional até o dia 3 de maio. O governo avalia o fechamento total da província de Cortés, epicentro da doença com mais de 60% dos casos e uma taxa de letalidade de 10,4%.

 

Com uma média de 41 testes para cada 100 mil habitantes, o país centro-americano também possui apenas 200 ventiladores para pacientes em tratamento intensivo. 

 

O presidente Juan Orlando Hernández anunciou, em março, um fundo de US$ 25 milhões para combater a pandemia. Na última semana de abril, o Tribunal Superior de Contas acusou superfaturamento na compra de máscaras e luvas de até 50%.

 

Também investigam a compra de tendas para montar hospitais de campanha que nunca foram inaugurados. 

 

As denúncias levaram à renúncia do ministro Comissão Permanente de Contingências, Gabriel Rubí. No entanto, processos judiciais só serão abertos depois do fim da pandemia.


Com 9,5 milhões de habitantes e 60% da população em situação de pobreza, em Tegucigalpa famílias inteiras vivem nas ruas por conta do desemprego gerado durante a pandemia 

 

El Salvador

Dados oficiais do governo de El Salvador dão conta de 395 casos confirmados, com 97 recuperados e nove mortos. Cerca de dois terços correspondem a casos de transmissão local e um terço são casos importados. Entre os importados, a maioria provém da Guatemala (26), seguido dos Estados Unidos, com 20, por conta de fluxos de migração na América Central.

 

O país, que já vivia um contexto de avanço do autoritarismo, após o presidente Nayib Bukele ter invadido a sede do Poder Legislativo com militares no começo de fevereiro ameaçando fechar a Casa, viu esta situação se intensificar após o decreto da quarentena obrigatória em meio à pandemia do novo coronavírus, em 22 de março.

 

Entre as medidas autoritárias do governo salvadorenho estão a detenção e isolamento obrigatório em prisão daqueles que violem a quarentena, sem realização de testes, e a autorização do uso de força letal por parte da polícia e do Exército para combater a atuação das principais facções do país.

 

No último final de semana, após uma onda de assassinatos no país, Bukele decretou estado de emergência nas prisões e estabeleceu o fim da separação das facções nos presídios, uma  uma medida que estava em vigor desde 2002 para evitar confrontos entre quadrilhas rivais.

 

Panamá

O Panamá é o país da América Central que concentra o maior número de contágios do novo coronavírus, com 6.378 casos e 178 mortes. 

 

Em quarentena total desde o final de março, o país centro-americano decretou uma das medidas mais polêmicas de isolamento social, com um “rodízio” que determina a saída de homens e mulheres em diferentes dias da semana. 

 

De acordo com a decisão, executada há quase um mês, as mulheres podem sair para ir aos supermercados, bancos e farmácias às segundas, quartas e sextas, enquanto os homens podem sair às terças, quintas e sábados. O período máximo de permanência na rua é de duas horas. Aos domingos, a população não pode sair de suas casas.

 

Nesta semana, a ministra da saúde do país, Rosario Turner, informou que as medidas de quarentena serão mantidas nas próximas semanas, devido ao aumento do número de contágios.

 

Caribe 

A Comunidade do Caribe, composta por 15 nações, acordou adotar medidas unitárias de saúde pública e proteção de fronteiras. Os chefes de Estado e de Governo da Caricom também exigiram o levantamento imediato do bloqueio contra Cuba e Venezuela

::Solidariedade: Cuba recebe navios, envia médicos e faz remédio para coronavírus::

 

Cuba

O Ministério de Saúde Pública cubano confirmou 1.501 doentes com o novo vírus, 681 recuperados e 61 falecidos, há 52 dias do início da pandemia na ilha. Outros 3.300 pacientes seguem em observação, cientistas cubanos estimam que o pico da infecção deve acontecer no mês de maio.

 

O presidente Miguel Díaz-Canel Bermúdez mantém o estado de quarentena em todo o território nacional, mantendo o funcionamento de serviços essenciais. Segundo o Ministério de Comércio, cerca 1,5 mil pessoas foram empregadas em serviços de entrega a domicílio ativados durante a pandemia.

 

O medicamento Interferon Alfa 2B foi desenvolvido pela biomedicina cubana e tem sido um dos mais efetivos tratamentos contra o coronavírus. Com uma taxa de recuperação de 93% entre os pacientes submetidos a testes, cerca de 80 nações encomendaram o antiviral.Também entrou em fase de testes uma nova vacina utilizando o plasma de pacientes que já se infectaram e se recuperaram da doença. Os primeiros resultados são esperados para setembro de 2021.

 

Além disso, a ilha enviou brigadas com profissionais de saúde a 22 países para ajudar no combate e prevenção à pandemia. 

 

Haiti

Segundo dados da Organização Mundial da Saúde (OMS), a nação caribenha tem 76 casos de covid-19 e seis mortes. No entanto, os números oficiais podem estar distorcidos diante da falta de informações públicas sobre testes laboratoriais e locais de atendimento para a população que apresenta sintomas da doença.

 

Para além da falta de medidas concretas para evitar a propagação do novo coronavírus, o país determinou a reabertura das zonas francas do país no dia 20 abril, retomando a atividade das empresas têxteis que fabricam os insumos de saúde utilizados no país e nos EUA. Assim, centenas de trabalhadores voltaram a ocupar seus postos de trabalho, uma política que contraria as recomendações da OMS para combater o vírus.

 

A influência dos Estados Unidos no Haiti também tem aumentado o risco de contágio devido às deportações de haitianos e haitianas ilegais no país norte-americano, que concentra o maior número de casos do novo coronavírus no mundo, com mais de 1 milhão de casos e 56 mil mortes.

 

Na terça-feira passada (21), o Haiti recebeu 129 cidadãos deportados pelos Estados Unidos. Um dia antes, o primeiro-ministro haitiano havia confirmado que, entre as 68 pessoas deportadas pelo país norte-americano anteriormente, três estavam infectadas com o novo coronavírus.

 

O país caribenho, que sofre uma grave crise política, econômica e social desde antes da pandemia, enfrenta uma situação de emergência alimentar. Segundo dados do PMA/ONU divulgados na última semana, cerca de 4 milhões de haitianos – quase um terço da população do país – passam fome.   

 

Diante do decreto de emergência alimentar, o presidente haitiano afirmou que o governo oferecerá um subsídio econômico às populações mais pobres, no valor de 3 mil gourdes (moeda nacional haiti, que corresponde a cerca de 29 dólares). Para uma família de cinco pessoas consumir alimentos básicos no Haiti hoje, precisaria de cerca de 9.800 gourdes (cerca de 98 dólares), segundo os cálculos da Comissão Nacional de Segurança Alimentar (CNSA).

 

Porto Rico 

Em quarentena desde o dia 15 de março, o território não incorporado dos Estados Unidos acumula 1.539 doentes e 92 falecidos pela covid-19. O departamento de saúde deixou de divulgar os dados de testes realizados por inconsistência nos números. 

 

As ligações ao serviço governamental de Primeira Ajuda Psicossocial aumentaram em 50% no último fim de semana, com 2.099 chamadas. Através do PAS, os boriquas podem conversar sobre instabilidade da saúde mental.

 

República Dominicana 

A ilha confirmou 6.972 casos positivos e 301 falecidos, além de 1.301 pessoas recuperadas. 

 

Segundo o Ministério de Saúde foram realizados quase 24 mil testes de diagnósticos em todo o território nacional. Ainda estão sendo preparados hotéis para atender pacientes que devam permanecer em isolamento e o país começou a usar a hidroxicloroquina como tratamento ao novo vírus.

 

Na maior cárcere do país, a Penitenciária Nacional La Victoria, foram confirmados 255 doentes entres os 8 mil detentos que alberga.

 

No dia 14 de abril, a Junta Central Eleitoral dominicana anunciou o adiamento das eleições legislativas e presidenciais por conta da pandemia da covid-19. O processo eleitoral estava previsto para 17 de maio. 

 

A nova data será 5 de julho e em caso de segundo turno, os eleitores deverão ir às urnas novamente no dia 26 de julho. O adiamento foi acordado com os maiores partidos do país. 


América do Sul

 

Venezuela

A Venezuela mantém uma das menores taxas de contágio da região, com 331 casos confirmados, dez falecidos e 142 recuperados. Até o momento, o país realizou 423 mil provas de diagnóstico da covid-19, uma média de 12,5 mil provas para cada milhão de habitantes, a maior proporção da região. A quarentena, decretada no dia 15 de março está mantida até dia 14 de maio e nos estados Táchira, na fronteira com a Colômbia, e Nueva Esparta, onde se encontra a Ilha Margarida, foi instituído toque de recolher, por conta do aumento do número de casos.

 

O Ministério de Saúde adaptou 46 hospitais para atender a pandemia em todo o território venezuelano.O presidente Nicolás Maduro proibiu as demissões até o final do ano, assumiu o pagamento dos salários dos trabalhadores de pequenas e médias empresas do setor privado até setembro, suspendeu a cobrança de aluguéis por seis meses e impediu o corte de serviços essenciais, mesmo que exista acúmulo de dívidas.

Também foram anunciados créditos para aumentar a produção agrícola durante a pandemia e programas sociais para manter o abastecimento de casa em casa.

 

Colômbia

Apesar de ter 6.211 casos e 1.411 mortes confirmadas por covid-19, o país sul-americano começou a retomar suas atividades econômicas nessa segunda-feira (27) de maneira gradativa, uma decisão que foi considerada “apressada” por políticos e especialistas. 

 

A medida anunciada pelo presidente Iván Duque também gerou confusão sobre quais atividades deveriam ser retomadas em meio à emergência sanitária, e quais deveriam permanecer suspensa.

 

A prefeita de Bogotá, Claudia López, informou que a capital do país permanecerá em quarentena total. Bogotá concentra quase metade dos casos de coronavírus na Colômbia.

Um dos graves problemas enfrentados no país é a propagação do vírus nas prisões. A prisão da cidade de Villavicencio concentra 305 casos do novo coronavírus, uma situação que afeta os detentos e os profissionais que trabalham no local. 

 

Os internos desta prisão e de outros centros de detenção do país têm realizado greve de fome para denunciar a alarmante situação que se encontram e exigir medidas sanitárias, como a distribuição de produtos para higiene e atendimento médico, para deter o contágio.

 

Equador

O país registrou 24.675 casos e 663 mortes confirmadas por covid-19. No entanto, acumula 1138 falecidos com sintomas suspeitos de coronavírus, até o dia 27. Segundo dados oficiais, até a terça-feira (28), foram realizados 64.558 diagnósticos do tipo rápido (PCR). 

 

As fronteiras permanecem fechadas, assim como as escolas e os voos comerciais nacionais e internacionais seguem cancelados.

 

A partir do dia 4 de maio começará a valer a abertura gradual de empresas e comércios, que será determinado pelos governos locais de acordo com orientações nacionais.

Nas cidades identificadas com o sinal vermelho só estão autorizadas as vendas por telefone com entrega a domicílio e deve cumprir o toque de recolher a partir das 14h até ás 5h do dia seguinte.

 

Já onde houver sinal amarelo, as empresas podem abrir com 50% do pessoal, mantendo o home office como prioridade. O toque de recolher começa a valer a partir das 18h e atividades públicas poderão ser realizadas com até 30% de lotação, assim como o transporte local voltará a funcionar na mesma proporção.

 

Já as regiões com sinal verde poderão ter estabelecimentos com 60% da sua operatividade, o toque de recolher inicia às 21h e o transporte urbano poderá circular com até 50% de lotação.

 

O governo propôs a criação de um Fundo de Ajuda Humanitária aos trabalhadores,que será sustentado por uma contribuição de todos os cidadãos que ganhem mais de US$ 500 mensais (cerca de R$2700).Atualmente, a taxa de desemprego no Equador ronda os 4,6%, e o seguro anunciado pelo governo pretende ajudar ao menos 550 mil pessoas, cerca de 0,3% da população.

 

Peru 

Foram contabilizados 36.976 peruanos com covid-19 e 1.051 falecidos. No entanto, o próprio ministro de Saúde, Victor Zamora, assume que existe subnotificação em todas as regiões. 

 

O governo lançou três modalidades de bônus sociais para atender cerca de 5,2 milhões de peruanos com 380 soles (cerca de R$ 616) durante três meses. No entanto, o presidente Martin Vizcarra assinou um decreto que permite a suspensão do contrato de trabalho e dos salários durante a pandemia. Já são 4.200 empresas que aderiram à medida.

 

Além disso, o congresso lançou um projeto de lei para pressionar o presidente a liberar 25% dos fundos previdenciários gerenciados pelas Associações de Fundos Previdenciários, entidades privadas.

 

Cerca de 160 mil pessoas varadas nas ruas de Lima há 44 dias por conta da suspensão do transporte inter regional.

 

Assim como no Brasil, a mineração segue ativa durante a pandemia. Na mineradora Antamina, uma das maiores produtoras de zinco do país, foram registrados 210 trabalhadores infectados, cerca de 10% de toda a força laboral da empresa, que realizou apenas 600 provas de diagnósticos.

 


Nos 11 departamentos com comunidades indígenas, foram registrados 1.304 casos positivos, mas organizações sociais denunciam subnotificação. / CoperAcción


Bolívia 

São 1.010 infectados e 59 falecidos, foram realizados cerca de 4 mil diagnósticos, depois de 47 dias do início da pandemia no país. A quarentena total está mantida até 30 de abril. A maior concentração é na província de Santa Cruz, fronteiriça com o Brasil, que foi militarizada pelo governo central.

 

Na segunda-feira, 27, todos os membros do comitê científico que assessorava o gabinete de Jeanine Áñez renunciaram por afirmar que o governo tomava uma direção não democrática, baseada em assessores internacionais. 

 

Profissionais de saúde também protestam em diferentes regiões do país exigindo melhores condições de trabalho. Em resposta, o ministro de Saúde Marcelo Navajas afirmou que é positivo que médicos se contagiem, porque "aos 15, 20 dias já estão imunes e podem voltar ao trabalho".

 

O governo de facto adquiriu um empréstimo de US$ 1 bilhão com o Banco Central do país, no entanto, o próprio ministro da Presidência Yerko Nuñez assumiu que nenhuma conta havia sido paga, porque os fornecedores não cobraram.

 

As eleições previstas para o mês de abril foram adiadas e ainda não há uma nova data prevista. Enquanto isso, continuam as denúncias de perseguição política. A prefeita da cidade de Vinto, na província de Cochabamba, Patrícia Arce, militante do Movimento ao Socialismo – mesmo partido do ex-presidente Evo Morales – foi detida por 48 horas com seus filhos por supostamente descumprir a quarentena.

 

Argentina

Em um cenário regional complexo, a Argentina, governada pelo presidente Alberto Fernández, da Frente para Todos, tem despontado como uma referência por ter decretado a quarentena obrigatória de forma "prematura", isto é, com um pequeno número de casos, além de oferecer respostas nos níveis econômico e social para enfrentar a pandemia.

 

No país sul-americano, são 4.285 casos confirmados de covid-19, com 214 mortes.

Entre as medidas decretadas para cumprimento da quarentena obrigatória, destacam-se auxílios para evitar o aprofundamento da fome e da miséria em um país afetado pela recessão econômica, bem como medidas de proteção ao trabalho e aos trabalhadores, além do investimento na produção de suprimentos de saúde e uma política de congelamento de preços de itens básicos para o enfrentamento à pandemia.

 

Desta forma, o país latino-americano conseguiu achatar a curva de contágio do coronavírus e adiar o pico da covid-19 no país.

 

Na província de Buenos Aires, que concentra 60% dos casos de coronavírus, é obrigatório utilizar máscaras faciais nos meios de transporte públicos, comércios e bancos, sob pena de multa em caso de descumprimento.

 

Como forma de fazer valer o isolamento obrigatório, o governo ampliou o policiamento nas ruas do país, com uso das forças de segurança nacional, para restringir a circulação de pessoas. No entanto, movimentos e associações comunitárias do país têm denunciado o aumento dos abusos policiais em meio à pandemia, sobretudo nas comunidades mais pobres e nas regiões em que a população de rua se concentra.

 

Na última segunda-feira (27), a Administração Nacional de Aviação Civil emitiu um decreto proibindo que as empresas aéreas vendam passagens para voos internacionais. A medida deve valer, inicialmente, até 1º de setembro.

 

Chile

O Chile tem mais de 16.023 casos confirmados de covid-19, com 227 mortes. Apesar de ter uma das menores taxas de letalidade do coronavírus em todo o mundo, as recentes medidas anunciadas pelo governo chileno têm despertado preocupação.

 

Na última sexta-feira (24), Piñera anunciou o plano “Retorno Seguro”, que determina a retomada das principais atividades do país, com retorno das aulas nas escolas e das jornadas de trabalho, apesar da pandemia. Segundo o governo, serão tomadas medidas de precaução para evitar novos contágios do novo coronavírus.

 

A determinação gerou polêmicas, assim como a proposta de entregar um carnê de “alta médica” a pacientes de covid-19 considerados recuperados da doença, apresentada pelo ministro da saúde do país, Jaime Mañalich.

 

A chegada da pandemia suspendeu, temporariamente, a onda de protesto contra o governo do presidente Sebastián Piñera e o plebiscito constitucional marcado para 26 de abril, mas não pôs fim às medidas autoritárias do mandatário, já que uma de suas primeiras medidas foi decretar estado de exceção por catástrofe, com controle dos militares nas ruas do país.

 

As cifras de desempregados no Chile têm crescido igual ou mais que a de infectados pelo vírus. É possível ver longas e exaustivas filas de trabalhadores buscando acesso ao seguro desemprego oferecido pelo governo.  

 

Em suas medidas econômicas para enfrentar a crise gerada pela pandemia, o governo tem privilegiado a proteção dos empresários em detrimento dos trabalhadores.

 

Por um lado, os recursos que o governo destinou às milhares de famílias mais vulneráveis serão de cerca de US$ 2 bilhões. Por outro, algumas dezenas de grandes empresas receberão um total de US$ 24 bilhões.

 

Outra vantagem governamental entregue às empresas é a possibilidade de suspender de forma unilateral o vínculo com os trabalhadores por um período de três meses e deixá-los somente com um seguro-desemprego oferecido pelo Estado, e cujo valor não será muito distante de um salário mínimo.

 

Uruguai

O Uruguai é um dos países sul-americanos menos afetados pela pandemia, com 630 casos confirmados, 412 recuperados e 15 mortes. Um dos principais locais de propagação do coronavírus no país foi um estabelecimento geriátrico, o que gerou um alerta já que na Espanha, que concentra um dos maiores números de casos em todo o mundo, um terço dos mortos por covid-19 eram residentes de lares para idosos. Diante disso, o governo anunciou que realizará testes nos estabelecimentos geriátricos do país.

 

Desde o dia 22 de abril, as aulas foram retomadas nas escolas rurais do Uruguai localizadas nas zonas em que não foram registrados casos de contágio. A previsão de retorno das aulas na capital do país, Montevidéu, está previsto para setembro deste ano.

 

Embora o país não tenha decretado uma quarentena obrigatória, algumas medidas foram tomadas para reduzir o número de atividades e a circulação nas ruas do país, como a suspensão das atividades públicas, um seguro por doença para os trabalhadores do setor público e privado com mais de 65 anos, para evitar que saiam de casa, e a entrega de uma cesta básica para beneficiários de programas sociais e trabalhadores informais.

 

Em meio à pandemia, o presidente Luis Lacalle Pou, empossado em março deste ano, tenta aprovar, no Congresso, uma Lei de Urgência, que propõe uma série de reformas, com enfraquecimento do Estado. A proposta tem gerado uma série de críticas e discussões já que, para a oposição e diversos setores da sociedade, o Parlamento do país deveria focar no combate à pandemia e as consequências econômicas da crise sanitária.

 

Paraguai

Com 249 casos e 9 mortes confirmadas, o Paraguai, que está com as fronteiras do país fechadas e aulas presenciais canceladas até dezembro deste ano, iniciará no começo de maio um retorno progressivo à normalidade do país. 

 

A proposta apresentada pelo governo de Mario Abdo Benítez contará com 4 fases. A primeira, iniciada em 4 de maio, determinará a reabertura de fábricas, a retomada de obras públicas, do trabalho de prestadores de serviços em domicílio e de serviços de delivery. 

 

O jornalista paraguaio Adolfo Giménez, em artigo publicado no Nodal, alerta que o número de pequenas e médias empresas que fecharam no contexto da pandemia, é alto -- embora o país não tenha apresentado números oficiais --, o que pode desencadear um aumento no número de desempregados e trabalhadores informais. 

 

Antes da pandemia, 25% da população paraguaia já estava na pobreza e o número de trabalhadores informais chegava a 65%, um cenário que pode piorar nos próximos meses. 

Diante do aumento da vulnerabilidade dos setores pobres, os movimentos populares do país têm organizado campanhas de doação de alimentos e distribuição de refeições nos bairros mais pobres.

 

Please reload

Leia também...
Please reload

Posts Relacionados

© 2020 por Rede Mundo

  • Twitter App Icon
  • Facebook App Icon
  • Google+ App Icon