EUA excluem Farc e ELN como as maiores ameaças terroristas na América Latina

19-Jul-2017

Os Estados Unidos excluíram de seu relatório anual sobre terrorismo no mundo, divulgado hoje (19), uma referência que era feita há muitos anos às Forças Armadas Revolucionárias da Colômbia (Farc) e ao Exército de Libertação Nacional (ELN), do mesmo país, como principais ameaças  terroristas na América Latina. A informado é da EFE.

 

Os relatórios publicados pelo Departamento de Estado dos EUA há pelo menos uma década faziam referência às Farc e ao ELN como "a principal ameaça terrorista no Hemisfério Ocidental". Apesar da exclusão, os grupos seguem incluídos na lista de organizações terroristas dos EUA.

 

O relatório do Departamento de Estado também volta a incluir a Colômbia, ao lado da Venezuela, na relação de países que representam um "refúgio" para os terroristas. Mas o documento diminui o alerta sobre as guerrilhas colombianas. A mudança se deve, em parte, à aprovação no ano passado de um acordo de paz entre o governo da Colômbia e as Farc, e ao início das negociações para firmar um pacto similar com o ELN.

 

Diminuição

"A Colômbia experimentou uma queda significativa na atividade terrorista em 2016 devido em boa parte ao cessar fogo-bilateral entre as forças do governo e as Farc", indicou o relatório americano.

 

Desde agosto de 2016, segundo o documento, só houve um confronto letal entre os guerrilheiros das Farc e homens do governo. Também diminuiu o número de civis mortos pelo conflito, assim como o de membros das Farc e do ELN mortos em combate, capturados ou que se desmobilizaram.

 

A ameaça das Farc também foi reduzida no Panamá, onde a guerrilha colombiana usava a província de Darien, no sul do país, como base de operações, ponto de descanso e recuperação, além de zona de rearmamento, de acordo com o relatório.

 

"Com apoio americano, as autoridades panamenhas eliminaram substancialmente a capacidade das Farc de operar em Darien. E a conclusão do processo de paz na Colômbia diminuiu ainda mais a ameaça da guerrilha no país", explica o documento.

 

Venezuela

Quanto à Venezuela, o Departamento de Estado dos EUA volta a acusar o governo de Nicolás Maduro de manter um "ambiente permissivo que tolera e apoia atividades que beneficiam grupos terroristas". Os EUA afirmam que a Venezuela segue abrigando indivíduos ligados às Farc, ao grupo terrorista espanhol ETA e também simpatizantes da milícia libanesa Hezbollah.

 

"Pelo 11º ano consecutivo, Caracas não cooperou adequadamente com os esforços antiterroristas dos EUA", diz o documento. O relatório lamenta que o governo da Venezuela não tenha tomado nenhuma ação contra os funcionários do alto escalão do Executivo que foram punidos pelo Tesouro dos EUA por darem "assistência material" ou apoio de qualquer outro tipo às Farc.

 

Em termos gerais, o relatório indica que ainda há, na América Latina e no Caribe, “vulnerabilidades como  fronteiras porosas, capacidades limitadas para aplicar a lei e rotas estabelecidas de tráfico de pessoas e drogas, o que oferece oportunidades para grupos terroristas locais e internacionais".

 

"A corrupção, as instituições de governo frágeis, a cooperação insuficiente entre agências, uma legislação débil ou inexistente e a falta de recursos seguem sendo as principais causas da falta de vontade política significativa para combater o terrorismo em alguns países do continente", indicou o relatório.

 

O Departamento de Estado, no entanto, destacou avanços significativos do Brasil e Trinidad e Tobago nos esforços contra o terrorismo na região.

 

Fonte: Agência Brasil/Foto: Lusa/EPA, Ricardo Maldonado/Arquivo

Please reload

Leia também...
Please reload

Posts Relacionados

© 2020 por Rede Mundo

  • Twitter App Icon
  • Facebook App Icon
  • Google+ App Icon