Precisamos inovar, diz Aldo Rebelo em aula inaugural do Instituto Militar de Engenharia no Rio

9-Feb-2015

O ministro afirma, em aula para os militares, que o Brasil depende de investimentos em CT&I para garantir posição elevada na economia mundial.

 

 

Ampliar a soberania científica e tecnológica do País, elevar o padrão de vida material e espiritual da população brasileira e ampliar os horizontes da democracia no Brasil. Segundo o ministro da Ciência, Tecnologia e Inovação, 

 

Aldo Rebelo, esses são três desafios permanentes que as disciplinas da C,T&I têm em relação ao País. A afirmação foi feita durante aula inagural concedida pelo ministro no Instituto Militar de Engenharia (IME), nesta sexta-feira (6), na cidade do Rio de Janeiro (RJ).

 

"O papel do Ministério da Ciência, Tecnologia e Inovação [MCTI] é liderar politicamente o esforço – junto ao governo, ao Congresso Nacional, às empresas, aos movimentos sindicais – de valorizar socialmente e institucionalmente a agenda de CT&I", afirmou.

 

 

A uma plateia lotada de militares do curso de graduação em engenharia do instituto militar, Aldo Rebelo disse que ciência, tecnologia e inovação são decisivas para o futuro do País. E ressaltou a necessidade de o Brasil promover a inovação.

"Precisamos desesperadamente de inovar", afirmou.

 

 

Segundo o ministro, o dinamismo do Brasil depende hoje da agricultura, da pecuária e da mineração, que contribuem para que o País ocupe a sétima ou oitava posição na economia mundial. "Temos que louvar esses setores", disse, destacando que a agricultura, por exemplo, só evoluiu graças à inovação.

 

Longo prazo

 

Contudo, Aldo salientou que essa posição econômica do Brasil no mundo não é sustentável a médio e longo prazos, porque nos quesitos ciência, tecnologia e, principalmente, inovação, o País ocupa posições desvantajosas nos principais rankings mundiais. "O dinamismo da nossa economia não se sustenta apenas nesses setores [agricultura, pecuária e mineração], que oscilam muito", disse.

 

 

O ministro recorreu ao déficit de US$ 90 bilhões obtido pela conta de transações correntes (TC) do Brasil em 2014, para mostrar como a CT&I podem influir nesses valores. Do total, cerca de US$ 88 bilhões correspondem ao déficit nas contas de serviços e de renda, compostas por itens como aluguel de máquinas e equipamentos, computação, informação e pagamentos de royalties e licenças para produção de bens e serviços patenteados. "Esse registro mostra como nós pagamos um preço elevado quando não inovamos", afirmou.

 

 

Aldo destacou que é preciso sensibilizar as empresas nacionais para o esforço de investir em CT&I. "Temos um sistema qualificado de pesquisas, bons institutos, bons pesquisadores, recursos públicos", disse. "Nossa engenharia já produziu grandes empresas, como a Embraer, a Vale e a Petrobras", acrescentou. "Podemos fazer satélites, foguetes, fechamos o ciclo do urânio", mas, segundo ele, não temos muitas empresas que investem no setor.

 

Defesa

 

O ministro ressaltou ainda a importância do investimento em pesquisas e inovação na área da defesa. "Nós precisamos de um País forte em ciência, em tecnologia e em inovação, porque investir na segurança nacional também é uma forma de prover bem-estar à população brasileira", disse. "Temos de cuidar dos interesses do País, da economia e do domínio das tecnologias sensíveis na área da defesa", completou.      

 

 

Aldo Rebelo acrescentou que o MCTI apoiará e incentivará os projetos de pesquisa e inovação na área da defesa, por meio dos seus programas existentes.

 

 

Antes da aula inaugural, o comando do IME, por meio do general de Exército Sinclair Mayer (chefe do Departamento de Ciência e Tecnologia), apresentou ao ministro o projeto do Polo de Ciência e Tecnologia do Exército em Guaratiba (PCTEG).  

 

 

Fonte: MCTI -  Fernanda Melazo – Ascom

 

 

 

 

Please reload

Posts Relacionados
Leia também...
Please reload

Please reload

© 2019 por Rede Mundo

  • Twitter App Icon
  • Facebook App Icon
  • Google+ App Icon