Buscar

Primeira Escola de Negócios da Floresta Amazônica do Brasil é criada pela UEA


Foto: UEA

Potencializando o desenvolvimento econômico do Amazonas, por meio da implantação de negócios sustentáveis que sejam capazes de aproveitar os diferenciais competitivos existentes no bioma Amazônia, a Rainforest Social Business School ¿ RSBS/UEA - a 1ª Escola de Negócios da Floresta Amazônica no Brasil foi lançada nesta quinta-feira (5) pela Universidade do Estado do Amazonas (UEA).


A iniciativa conta com a parceria e o esforço coletivo e sinérgico do Instituto de Estudos Avançados (IEA), Faculdade de Economia, Administração, Contabilidade e Atuária (FEA), Universidade de São Paulo (USP), Green Rio, Secretaria Executiva de Ciência, Tecnologia e Inovação, da Secretaria de Estado de Desenvolvimento Econômico, Ciência, Tecnologia e Inovação do Amazonas (Sedecti -AM).


A RSBS/UEA surge ainda como instrumento de inclusão e equidade social ao promover oportunidades de mercado para produtos e serviços oriundos de florestas tropicais, respeitando os ecossistemas e sociedades. "As grandes universidades do mundo possuem as suas escolas de negócios e era chegada a hora da Universidade do Estado do Amazonas (UEA) ter a sua. Essa é uma semente que, de fato, vai ser promissora para que possamos ser referência no mundo em negócios de Florestas Tropicais", enfatizou a Pró-Reitora de Planejamento da UEA, Maria Olívia Simão.


Inovação

Neste cenário de oportunidades, a UEA implanta o pioneiro curso gratuito de Pós-Graduação Lato Sensu (Especialização) Amazon Rainforest Business - Negócios da Floresta Amazônica, gerando acesso a conhecimentos e técnicas de gestão e empreendedorismo, voltadas à constituição de negócios a partir do aproveitamento de recursos amazônicos oriundos da floresta.


A especialização é uma forma de incentivar o espírito empreendedor de jovens e empresários para atuarem como gestores de cadeias produtivas ou consultores em negócios das Florestas Tropicais, agregando valor aos produtos e as cadeias produtivas da região para formar uma plataforma de negócios que melhore a qualidade de vida dos amazônidas.


Para essa primeira turma, a RSBS/UEA oferta 750 vagas distribuídas em Manaus (200 vagas); Iranduba (50), Manacapuru (50), Presidente Figueiredo (50), Tabatinga (50), Tefé (50), Coari (50), Lábrea (50), Parintins (50), Maués (50), São Gabriel da Cachoeira (50); e Boca do Acre (50). A duração do curso é de 18 meses com carga horária de 450 horas.

Na oportunidade, o Reitor da UEA, Cleinaldo de Almeida Costa, destacou que o lançamento da marca é um momento histórico para o Amazonas e, a partir de agora, o Estado terá uma escola que discutirá o problema da Amazônia no ponto de vista do desenvolvimento social, da preservação da floresta, mas, sobretudo, agregando valor as cadeias produtivas da região. "A RSBS/UEA formará pessoas para pensar projetos de modo que possamos fomentar para as próximas gerações recursos humanos qualificados, entendendo de verdade o que é a Amazônia. Nós estamos falando de amazonenses, tratando de Amazônia, ou seja, nós da academia, da UEA, estaremos integrados com quem faz lá na ponta, lá no interior, a produtividade da nossa região", pontuou o Reitor.


A deputada estadual, Therezinha Ruiz, enfatizou que sempre acreditou no projeto desde a primeira apresentação, feita ainda no início deste ano. Para ela, a iniciativa que destaca a biodiversidade, valoriza o ecossistema e promove um sentimento de responsabilidade para os jovens e para todas as comunidades do interior, trará uma melhor qualidade de vida para o povo amazônida. "É uma manhã de grande satisfação. Vejo que posso contribuir e promover o crescimento, o desenvolvimento e criar novas oportunidades para tantos jovens por meio desse projeto. Isso traz um sentimento de gratidão. Sei que podemos ampliar ainda mais essa iniciativa que promove o aproveitamento das nossas riquezas. Hoje, estamos deslumbrando uma grande ação sendo colocado em prática e na Amazônia. Fica meu compromisso com os projetos da UEA que faz um grande trabalho, com uma equipe de responsabilidade", comentou.


A organizadora da Green Rio, Maria Beatriz Costa, completou dizendo que o lançamento da Escola de Negócios da Floresta Amazônica gera a oportunidade da UEA mostrar para o mundo o que existe de melhor na Amazônia. "Não tenho palavras para traduzir esse momento. Eu agradeço a oportunidade de estar vivendo todo esse cenário que foi desenhado lá atrás. O nosso magnífico Reitor da UEA pegou o bastão e fez acontecer. Essa iniciativa já é uma vitória. Vamos mostrar o que há de melhor no Amazonas. Hoje, tivemos uma manhã emocionante, uma manhã amazônica para celebrar essa grande conquista", disse.


Processo de inscrição

Os interessados em participar desta primeira turma da especialização Amazon Rainforest Business - Negócios da Floresta Amazônica, o período de inscrição inicia no próximo dia 16 de novembro, com término previsto para o dia 8 de janeiro de 2021.


Além do formulário e o envio dos documentos necessários para a inscrição, o candidato deverá enviar um vídeo com, no máximo, 30 segundos, contato sobre a sua ideia de negócio ou do negócio já instalado. Todos as informações sobre o processo seletivo podem ser visualizadas no site da RSBS/UEA (https://rsbusinesschool.wixsite.com/rainforestsbs).


"Pensamos nesse projeto de uma forma inovadora para transformar a realidade de muita gente. Esse curso foi idealizado para que pudéssemos alcançar o nosso povo amazônida, promovendo o conhecimento através da UEA que tem experiência em trabalhar com o povo do interior do Amazonas. Este curso inicia de uma ideia que o candidato já tem, e nós trabalharemos e aprimoraremos essa ideia", disse a coordenadora pedagógica da especialização, Andréa Lanza.


"A RSBS/UEA vem agregar muitos projetos dentre ele a Especialização Amazon Rainforest Business - Negócios da Floresta Amazônica justamente para fomentar o empreendedorismo. Estamos colocando essa escola à disposição da sociedade para alavancar a ideia de evolução do nosso Estado", finalizou o coordenador geral da RSBS/UEA, Paulo César Diniz.


Fonte: UEA