Buscar

Arce toma posse e Morales retorna à Bolívia conduzido por Alberto Fernández

Em seu discurso de posse, Luis Arce afirmou a vitória da democracia e defendeu uma nova etapa histórica para o país. Nesta segunda-feira, 9, o ex-presidente Evo Morales retornou ao país, pela fronteira com a Argentina

Reprodução

O novo presidente da Bolívia, Luis Arce, do MAS, tomou posse no domingo, 8, ao lado do vice Davi David Choquehuanca. Arce foi eleito com 55,1% dos votos válidos, depois de derrotar nas urnas o golpe de Estado patrocinado pela ultra-direita em 2019. Em seu discurso de posse, Arce afirmou a vitória da democracia e defendeu uma nova etapa histórica para o país. Nesta segunda-feira, 9, o ex-presidente Evo Morales retornou ao país, pela fronteira com a Argentina.


“A partir de 10 de novembro de 2019, depois de 21 dias em que se escamoteou a vontade popular expressada nas urnas, Bolívia foi cenário de uma guerra interna e sistemática contra o povo, especialmente os mais humildes”, lembrou Arce. “Espalhou-se morte, medo e discriminação. Encrudesceu o racismo e se usou a pandemia para prorrogar um governo ilegal e ilegítimo”, denunciou o novo presidente do país.


Divulgação Luis Arce, novo presidente da Bolívia

“Neste 8 de novembro de 2020 iniciamos uma nova etapa na nossa história, e queremos fazer um governo que seja para todas e para todos, sem discriminação de nenhuma natureza”, declarou Arce em seu pronunciamento de posse. Imerso na falta de medidas concretas contra a pandemia, a Bolívia sofreu uma queda de 11% no Produto Interno Bruto (PIB). Com a economia paralisada, “o desemprego, a pobreza e as desigualdades aumentaram”, afirmou Arce.

O evento contou com a presença do rei da Espanha, Felipe VI, e dos presidentes da Argentina, Alberto Fernández; da Colômbia, Iván Duque; e do Paraguai, Mario Abdo Benítez, além de representantes de outros países da América, Europa e Ásia. O Brasil, como era de esperar, ignorou a posse do país vizinho, reafirmando sua política de isolamento internacional. Nos últimos dias, Bolsonaro lamentou que a América Latina está se tornando “vermelha” novamente. Nesta segunda-feira, Morales retornou ao país, depois do exílio no México e na Argentina. Acompanhado pelo presidente argentino, Alberto Fernández, Morales cruzou a fronteira da Argentina com a Bolívia. “Hoje, 8 de novembro, é um dia histórico para a posse de @LuchoXBolivia e a recuperação da democracia exatamente um ano após o motim policial em 8 de novembro de 2019”, afirmou Morales no domingo. “Vencemos a batalha apenas com a consciência do povo, sem violência”, escreveu em suas redes sociais.