Buscar

Um perfil dos "barões" do transporte público em São Paulo


Da carroceria do ônibus ao banco que financia novos veículos, os negócios dos "barões do transporte" de São Paulo vão bem além das linhas que levam 7 milhões de passageiros por dia. Além de dominar quase toda a cadeia relacionada aos ônibus, os donos das viações expandiram os negócios para outras áreas, que incluem concessão do metrô paulistano e até time de futebol.

O silêncio é uma marca de um setor que, durante muito tempo, foi descrito pejorativamente como a "máfia" do transporte paulistano. Ao longo das últimas semanas, os jornalistas Artur Rodriguese Fabrício Lobela, do jornal Folha de S. Paulo, conversaram com empresários, políticos e especialistas para entender como se organizam os clãs que detêm as concessões de ônibus na capital.

Nesse cenário, o empresário José Ruas — que começou com uma padaria e cresceu até se tornar quase onipresente no setor — passou a diminuir sua participação. Se, no ano passado, o sobrenome Ruas aparecia na composição acionária de ao menos seis empresas, em 2019, está apenas em uma.

O discurso corrente nas garagens do setor é que Ruas se cansou de operar as linhas e mira outros negócios ligados ao setor. A Ruas Invest detém participação na Caio Induscar, fabricante da maioria das carrocerias usadas na cidade de São Paulo. De olho na tendência de migração dos passageiros dos ônibus para o metrô, o grupo da família Ruas está ao lado da CCR nas concessões das linhas do metrô paulistano 4-amarela, 5-lilás, 15-prata e 6-laranja (ainda em construção). Também tem o controle da empresa responsável pelos anúncios nos pontos de ônibus de SP e do Rio

Mas, a maior frota da cidade é a da empresa Metrópole, da família Abreu. Um em cada dez ônibus da cidade pertence à viação, pelos dados do contrato (definido na nova concessão do transporte paulistano). Além de várias empresas de ônibus espalhadas por São Paulo, os Abreu também têm participação na Caio Induscar e em empresas de pneus e vidros para veículos. Leia o texto completo no site da Folha de S. Paulo

#mobilidadeurbana