Buscar

Maior competição de educação profissional das Américas reúne 1,2 mil alunos em Brasília


A maior competição de educação profissional das Américas, a Olimpíada do Conhecimento, está em sua nona edição e ocorre até o dia 14 de novembro, em Brasília.

O Ministério da Educação (MEC), apoiador da Olimpíada, está presente em dois estandes, apresentando projetos de pesquisa aplicada desenvolvidos na Rede Federal de Educação Profissional, Científica e Tecnológica.

O ministro da Educação, Mendonça Filho, conheceu as instalações da Olimpíada e elogiou a iniciativa do Serviço Nacional de Aprendizagem Industrial (Senai) e da Confederação Nacional da Indústria (CNI), realizadores do evento.

“O que vemos aqui é uma marca de estímulo, de apoio à inovação; a busca do engajamento do jovem na formação técnica e tecnológica, buscando a criatividade e a boa formação técnica”, disse.

Mendonça Filho também ressaltou a importância da educação profissional para o futuro do brasileiro. “Sem uma boa educação profissional, o Brasil nunca avançará. Então, qualquer iniciativa que vise ampliar as oportunidades na área da educação técnica e profissional vai contribuir para o desenvolvimento nacional.”

Projetos

O projeto Sistema de gestão do consumo de água de prédios públicos, desenvolvido pelo estudante Marcos Gonçalves Junior, visa fazer a gestão do uso da água, permitindo o controle do consumo e evitando o desperdício.

“Com o sistema também é possível fazer comparações do volume de água utilizado em diferentes períodos, o que permite uma ação rápida do gestor no caso, por exemplo, de um vazamento”, explica. Marcos é aluno do último ano do curso de engenharia de controle a automação do Instituto Federal Fluminense (IFFluminense), no Rio de Janeiro.

O Centro Federal de Educação Tecnológica de Minas Gerais (Cefet-MG) levou à Olimpíada o protótipo de um carro elétrico compartilhado que não emite poluentes. O projeto foi desenvolvido por um grupo de oito alunos do curso técnico de mecatrônica da unidade Cefet de Varginha.

“O diferencial desse modelo é que ele não possui transmissão. Ele funciona com quatro baterias de ciclo profundo, que se conectam a quatro motores independentes”, explica o estudante Luís Felype Fioravanti, um dos desenvolvedores do projeto. “Isso possibilita uma grande economia de energia.”

Para o compartilhamento, o grupo desenvolveu um aplicativo em que o usuário verifica a disponibilidade do veículo e pode programar um horário para sua utilização e devolução. “O futuro está aí, e a gente tem como uma das maiores preocupações o desenvolvimento de energias ecologicamente sustentáveis. Esse modelo é um protótipo de um possível projeto do futuro, para gerar melhorias tecnológicas”, comemorou o estudante.

A Olimpíada

Um total de 1,2 mil alunos dos cursos técnicos das unidades do Senai e da Rede Federal de Educação Profissional, Científica e Tecnológica competem em provas coletivas e individuais, baseadas em sete projetos integradores que representam as áreas tecnológicas da Olimpíada: casa popular inteligente, soluções sustentáveis em tecnologia da informação, festa saudável, carro conceito compartilhável, roupa multifuncional e produtividade leiteira.

Os estudantes são desafiados a apresentar soluções e produtos para empresas e para a comunidade, além de participar de provas individuais que exigem precisão e raciocínio rápido.

Todos os desafios valem pontos para as unidades da federação representadas na competição. A cada prova, cada delegação chega mais perto de se tornar a campeã da edição.

Fonte: MEC

#cienciaetecnologia