Buscar

Brasileiros conquistam medalhas em olimpíada internacional de química


Os quatro estudantes brasileiros que representaram o Brasil na 48th International Chemistry Olympiad (IChO-2016) em Tblisi, na Georgia, retornaram com medalhas. Os paulistas Vitor Gomes Pires e Pedro Seber e Silva conquistaram medalhas de prata, e os cearenses Gabriel Ferreira Gomes Amgarten e Davi Oliveira Aragão conquistaram bronze. A competição teve 317 competidores de 80 países.

A delegação brasileira ficou à frente da Alemanha, França, Itália e Grã-Bretanha. Talento, estudo e dedicação dos estudantes somaram-se ao incentivo dos pais e ao reforço da preparação pelos professores nos seus colégios e no Curso de Aprofundamento e Excelência em Química (IQ-UFRN) e treinamento em laboratório no IQ-Unicamp.

O próximo desafio desses estudantes, que já têm medalhas da Olimpíada Brasileira de Química, será trazer ouro para o Brasil da 21ª Olimpíada Ibero-americana de Química, que acontecerá em Bogotá, Colômbia, em outubro.

Os paulistas Vitor e Pedro também já contam com medalhas (ambas de ouro) da Olimpíada de Química do Estado de São Paulo (OQSP-2016), iniciada em setembro de 2015 e concluída no Instituto de Química da Universidade de São Paulo (IQ-USP) em junho deste ano.

A página dos vencedores da Fase Final da OQSP-2016 na AllChemy traz fotos dos experimentos demonstrados, aplicação do exame final, correção das provas, almoço de confraternização, visitas a laboratórios, palestra e premiação pelos promotores e patrocinadores (50 medalhas e 6 prêmios somando 6 mil reais), tudo num só dia.

Além das duzentas fotos do evento vale a pena consultar, também, as 20 redações sobre o tema da OQSP-2016 "Luz na Química" (alusivas ao Ano Internacional da Luz).

A seleção para a Olimpíada Internacional de 2017, que será realizada em Bangkok, na Tailândia, já está em curso. Os 50 estudantes vencedores da OQSP-2016 representarão o Estado de São Paulo no exame nacional da Olimpíada Brasileira de Química no próximo dia 30 de agosto.

Fonte: Portal Brasil, com informações da Academia Brasileira de Ciências

#cienciaetecnologia