Buscar

PSDB e PMDB querem entregar pré-sal a toque de caixa, denuncia Zarattini


“Querem aprovar esse projeto a toque de caixa”. Essa é a avaliação do deputado Carlos Zarattini (PT-SP)sobre o açodamento do governo golpista e conspirador de Michel Temer em querer votar, nos próximos 15 dias, o projeto de lei (PL 4567/16) de autoria do senador e ministro interino de Relações Exteriores, José Serra (PSDB), que elimina a exigência de que a Petrobras seja operadora única dos blocos contratados sob o regime de partilha. A crítica do parlamentar ocorreu nesta terça-feira (28) durante reunião da comissão especial que analisa a proposta. “Acho que esse governo tem tentado aprovar este projeto a toque de caixa porque não se sabe até quando ele (Temer) vai continuar. Então, as multinacionais do petróleo, a quem esse governo serve, pressionam para que esse projeto seja aprovado muito rapidamente e a ideia do líder da Maioria é aprovar, no plenário, essa proposta entreguista nos próximos 15 dias”, afirmou Zarattini, que é segundo vice-presidente da comissão especial, se referindo ao líder do governo interino, André Moura (PSC-SE) que defendeu rapidez na aprovação do projeto pelo plenário da Casa. Zarattini lembrou ainda que a parceria entre o PSDB e representantes das multinacionais petrolíferas não é de hoje. “Existia uma gravação, divulgada pelo WikiLeaks, onde o senador José Serra garantia a uma representante de uma empresa multinacional, a Chevron, que faria de tudo para a aprovação desse projeto aqui no Congresso Nacional. Então, isso comprova subserviência do PSDB, do Serra, a essas empresas do petróleo internacionais”, denunciou Zarattini, se reportando às informações comprovadas e amplamente divulgada pelo site WikiLeaks (www.wikileaks.ch). “É um projeto entreguista. É um projeto que desnacionaliza a exploração de petróleo em nosso país, particularmente a exploração do pré-sal que é a maior jazida do país e uma das mais ricas do mundo. Então, aprovar esse projeto significa entregar as multinacionais a riqueza que tem que ser do povo brasileiro”, reiterou o petista. Zarattini disse, ainda, que essa trama entreguista que tem o DNA tucano não é de conhecimento da maioria da população brasileira. “A população não tem conhecimento daquilo que está sendo votado nesta Casa. A comissão especial que discutiu esse projeto - por mais de dois meses - foi muito restrita”, disse o deputado, defensor da realização de uma comissão geral para ampliar o debate sobre o tema. “Estamos querendo que haja um debate no plenário feito a partir de uma comissão geral para que, pelo menos, os deputados tenham a possibilidade de se informar sobre o que é esse projeto”. O deputado petista entende também, que barrar essa sanha entreguista não será uma tarefa fácil. No entanto, ele aposta na mobilização da Federação Única dos Petroleiros (FUP) e de entidades da sociedade civil para combater o entreguismo do patrimônio nacional. “Nós estamos votando um projeto que vai refletir - se aprovado - na diminuição das compras de equipamentos nacionais, portanto, em redução de emprego na indústria. Se aprovado, reduzirá, no futuro, recursos para a educação e saúde oriundos do Fundo Social. Então, é um projeto pernicioso para o povo brasileiro e temos que rejeitá-lo”, defendeu Carlos Zarattini. Fonte: PT na Câmara por Benildes Rodrigues