Buscar

Metodologia japonesa é discutida com especialistas no Cemaden


Especialista asiático ministrou conteúdo a profissionais do Cemaden. Crédito: Divulgação/Cemaden

Workshop debateu método sobre limiares de alertas de deslizamento e faz parte de Acordo de Cooperação Técnica entre o Brasil e Japão, junto ao MCTI.

Apresentar as metodologias técnicas dos limiares críticos – resultantes das experiências históricas enfrentadas pelo Japão, com foco nos deslizamentos e movimentos de massa nas áreas de risco de desastres naturais no Brasil – são as abordagens do treinamento feito no Centro Nacional de Monitoramento e Alertas de Desastres Naturais (Cemaden/MCTI), em São José dos Campos (SP).

O workshop é direcionado a especialistas de Geociências, Hidrologia e Modelagem das

áreas de Operação e Pesquisa do Cemaden, com transmissão por videoconferência aos especialistas da instituição lotados na unidade de Cachoeira Paulista (SP).

O consultor japonês Hidehiro Takeshima, especialista em sistemas de aviso, alertas e evacuação, é o responsável pela apresentação, teórica e prática, sobre metodologias de construção dos limiares críticos para a emissão de alertas de riscos de deslizamentos.

O objetivo é repassar as experiências na área de previsão para emissão de alertas.

"Essas experiências permitirão o melhoramento da confiabilidade dos limiares para emissão de alertas de risco de deslizamento dos municípios mapeados como vulneráveis nesse tipo de desastre natural", afirma o coordenador do Projeto de Fortalecimento da Estratégica Nacional de Gestão Integrada em Desastres Naturais (Gides) pelo Cemaden, Celso Graminha.

O coordenador destaca que todas as metodologias e experiências repassadas pelos especialistas japoneses serão estendidas aos parceiros do projeto. Nas ações de alertas de desastres naturais são parceiros o Centro Nacional de Gerenciamento de Riscos e Desastres (Cenad), do Ministério da Integração Nacional, além das Defesas Civis municipais de Petrópolis (RJ), Nova Friburgo (RJ) e Blumenau (SC). Esses municípios fazem parte do projeto piloto, para posterior aplicação de protocolos nos municípios vulneráveis a deslizamentos, em todo o território nacional.

Acordo entre Brasil e Japão

O intercâmbio entre Brasil e Japão faz parte do Projeto de Fortalecimento da Estratégia Nacional de Gestão Integrada de Riscos em Desastres Naturais (Gides). A empreitada visa melhorar a integração e o desenvolvimento de ações interministeriais relacionadas à redução de riscos de deslizamentos de sedimentos no Brasil.

O Termo de Cooperação entre os dois países foi firmado em 2013, envolvendo as Agências Brasileira de Cooperação (ABC) e a de Cooperação Internacional do Japão (Jica), os Ministérios da Ciência, Tecnologia e Inovação , das Cidades, da Integração Nacional e de Minas e Energia do Brasil para o fortalecimento da capacidade brasileira na gestão de riscos de desastres naturais.

Reuniões Técnicas do Projeto Gides

Desde que foi firmado o acordo, pesquisadores brasileiros e japoneses construíram uma agenda anual de atividades, treinamentos, intercâmbios científicos, além de trabalhos de pesquisa em campo nas áreas de risco de deslizamentos nos municípios classificados como vulneráveis a desastres naturais. Anualmente, é elaborado um cronograma deReuniões Técnicas do Projeto de Fortalecimento da Estratégia Nacional de Gestão Integrada de Desastres Naturais (Gides), agendadas até 2016, nas cidades do Rio de Janeiro (RJ), Brasília (DF) e São José dos Campos (SP).

No Cemaden, as próximas Reuniões Técnicas do Projeto Gides sobre Previsão e Alerta Antecipado estão previstas para ocorrerem nos dias 16 e 17 de dezembro e nos dias 23 e 24 de fevereiro de 2016.

Fonte: MCTI, com informações do Cemaden

#cienciaetecnologia