Buscar

Time da UFAM leva a melhor e lidera classificação feminina na final brasileira da Maratona Brasileir


Foto: UFAM

Equipe da UFAM ficou em primeiro lugar na disputa com times exclusivamente femininos de todo o Brasil na etapa classificatória para as finais da Maratona Brasileira de Programação, que aconteceu no último dia 12.

Victoria Patrícia, Nadny Dantas e Ana Vitória Cordeiro são estudantes do Instituto de Computação (Icomp), do curso de Bacharelado em Ciência da Computação, e formam o time UFAM-IComp-PowerPink, classificado para as finais brasileiras. O Instituto da UFAM sediou a competição no Amazonas. No Brasil, foram oito equipes formadas somente por meninas que participaram da primeira fase da disputa. A final da competição ocorre nos dias 13 e 14 novembro em São Paulo.

“Estar na final da maratona foi algo surpreendente. Não esperávamos que isso fosse acontecer. Quisemos participar apenas para testar nossos conhecimentos e também porque gostamos de competições e a dinâmica é muito bacana”, revelou Victória Patrícia.

“Estamos estudando para a final, resolvendo várias questões no estilo da maratona e conteúdos mais avançados para nos ajudar a resolver um maior número de questões. Esperamos superar nosso próprio desempenho e surpreender positivamente”, expôs a competidora.

O resultado da primeira fase foi divulgado na última sexta-feira, dia 25, pela Sociedade Brasileira de Computação, responsável pela organização do campeonato. Ao todo, 62 times de todo o país participam da final brasileira.

Foto: UFAM

“Foi uma surpresa muito grande a classificação do time de meninas, pois elas participaram como uma experiência apenas. Embora sejam muito novas – elas completaram 18 anos recentemente - são alunas muito capazes e diferenciadas. Elas não tinham se preparado especificamente para a Maratona e ainda não viram conteúdos avançados cobrados na prova da maratona”, disse a coordenadora regional da maratona de computação, Rosiane de Freitas, que também é professora do Icomp da UFAM. REGRAS

A distribuição das vagas dos times que concorrem na fase final brasileira é estabelecida dentro de alguns critérios, entre eles: 25% das vagas atribuídas aos times de melhor desempenho na primeira fase, 65% das vagas atribuídas por representatividade pelo país, pelo tamanho da sede e 10% das vagas atribuídas a casos de exceção, pelo Comitê Diretor.

Portanto, a classificação das 62 equipes foi distribuída assim: 19 times pela regra 1 (todos os que resolveram 8 ou mais questões - de 12 questões existentes, sendo no máximo 2 times por escola em qualquer regra); 37 times pela regra 2 (sedes com pelo menos 10 times de 5 escolas diferentes - na sede Manaus-AM tínhamos direito a 1 vaga para a final brasileira); seis times pela regra 3: o melhor time da instituição anfitriã (IBTA - São Paulo-SP), o melhor time formado apenas por meninas (UFAM, Manaus-AM), os melhores times dos estados ainda não representados na final: Alagoas, Sergipe, Tocantins e Rondônia.

Fonte e fotos: UFAM , colaboração de Mariane Cruz

#cienciaetecnologia