Buscar

Argentina: Arrecadação ultrapassa $145 bi em julho e bate novo recorde


Foi 36,3 por cento a mais que no mesmo período de 2014, marcando assim um novo recorde no terceiro mês consecutivo, e explicado pela contribuição do imposto IVA, a Previdência Social, o Imposto de Renda, Débitos e Créditos bancários, e os direitos de Comércio Exterior.

Assim foi informado pela máxima autoridade da Administração Federal de Ingressos Públicos (equivalente à Receita Federal), Ricardo Echegaray, durante a coletiva realizada no Salão Tacchi da sede central do organismo, junto com o secretário da Fazenda, Juan Carlos Pezoa.

Echegaray detalhou que a arrecadação de 145,999 bilhões de pesos para julho, um aumento de 36,3 por cento na medição ano a ano, significa o terceiro mês consecutivo em que as finanças públicas batem recorde um mês após outro, pois em junho havia contabilizado receitas por 140.838, e em maio por 138,139 bilhões de pesos. O bom desempenho tributário do sétimo mês do ano foi a partir da arrecadação do imposto IVA, de 35,911 bilhões de pesos, com incremento de 28,3 por cento na comparação ano a ano; a Previdência Social, com 45,095 bilhões e um crescimento de 40,7 por cento; e o pagamento de Imposto de Renda com 33,333 bilhões de pesos e uma melhoria de 52 por cento. Com o desempenho de julho, a arrecadação fiscal acumulada foi de 867,050 bilhões de pesos, ultrapassando em 29,546 bilhões a previsão para esta época do ano, ou seja, 3,5 por cento a mais para o período, e prevendo para o ano uma meta total de arrecadação de 1.481.735 trilhão de pesos. O secretário também disse que neste ano houve um forte crescimento em transferências automáticas para as províncias, com aumento de 38,4 por cento para este ano, recebendo as administrações federais 60,072 bilhões de pesos a mais que no ano passado.

Fonte e foto: Télam

#internacional