Buscar

Amazonas será cenário de produção cinematográfica internacional sobre biodiversidade


Foto: Roberto Carlos

O Estado do Amazonas foi escolhido para ser o cenário de um projeto inédito no cinema brasileiro. Coprodução entre Canadá, Reino Unido e Brasil, o documentário “Amazon Adventure 3D” deve ser o primeiro filme no país a ser rodado na nova tecnologia Imax, que oferece resolução de filmagens em 12k (altíssima resolução) para exibição em telas gigantescas e que dão ao expectador a sensação de imersão no filme, superior ao proporcionado no formato 3D.

Nessa quarta-feira, 13 de maio, o vice-governador do Estado, Henrique Oliveira, recebeu o produtor-executivo, Yuri Sanada, e o co-produtor canadense, Jonathan Barker, para conhecer o projeto. Com um orçamento estimado em US$ 12 milhões, “Amazon Adventure” tratará sobre a biodiversidade da região amazônica. No centro da história uma grande revelação: borboletas do Amazonas foram decisivas para Charles Darwin concluir a teoria da evolução das espécies.

O filme mostrará as aventuras e descobertas do naturalista inglês Henry Walter, que coletou insetos no Amazonas no século XIX. Durante viagens aos Estados do Norte, ele recolheu e enviou mais de 8 mil novas espécies para o acervo do Museu da História Natural de Londres. Além do próprio documentário, o projeto inclui materiais-extras para uso didático. Em fase de pré-produção, o filme deve ser finalizado no segundo semestre do ano que vem, e deve ficar por um período de cinco anos em cartaz em museus e centros culturais no exterior.

Além do grande público, o filme pretende alcançar, especialmente, cientistas, autoridades internacionais e investidores interessados em fortalecer medidas de preservação da biodiversidade, segundo Yuri Sanada. “A ideia é mostrar para o mundo inteiro, para as principais instituições culturais e museus, a importância da biodiversidade do Amazonas. É uma história verídica e foi a bela prova citada por Darwin quando tentou provar a teoria das espécies. Uma borboleta do Amazonas é que provou a teoria da evolução”, disse o produtor brasileiro.

Na avaliação do vice-governador Henrique Oliveira, a visibilidade com a produção cinematográfica deve gerar ganhos significativos, atraindo turistas e investidores para o Estado. “É um material audiovisual de grande qualidade, com a tecnologia mais moderna. Pessoas de todo o mundo vão poder conhecer nossas belezas, o que será de suma importância para atrair turistas e investidores”, disse.

Outra proposta dos realizadores do projeto é sediar no Amazonas workshops para treinar técnicos, cineastas, produtoras e emissoras de televisão nacionais e estrangeiras interessadas em aprender a filmar na nova tecnologia de alta definição. “Vai ser a primeira produção brasileira feita em Imax, tecnologia toda canadense. Estamos recebendo tecnologia como parte dessa produção e vamos fundar no Brasil um centro para treinamento de Imax, e a gente quer fazer no Amazonas”, afirmou Sanada, da Aventura Produções, uma das responsáveis pelo filme no Brasil.

Foto: Roberto Carlos

Fonte: Secom

#cultura