Buscar

Carta em Fórum na Tunísia abordará regulação da mídia


A regulação dos meios de comunicação -- assunto que está em discussão pelo atual governo brasileiro desde o período eleitoral -- será um dos temas da Carta da Mídia Livre, principal documento do Fórum Mundial de Mídia Livre que acontece na Universidade El Manaer, em Túnis, capital da Tunísia, entre os dias 22 e 28 de março. Bia Barbosa, coordenadora do coletivo brasileiro Intervozes, considera fundamental que a carta seja utilizada como instrumento para reivindicar um novo marco regulatório para as comunicações no Brasil.

"Nós estamos no meio da luta por uma nova legislação das comunicações. ​ Essa reivindicação sem dúvida poderá aproveitar a força desse encontro internacional "

Para o italiano Roberto Savio, fundador e presidente emérito da Inter Press Service, agência internacional de jornalistas colaborativa, a regulação dos meios é fundamental para criar um sistema mais justo de informação, em que o cidadão seja parte do processo.

" Liberdade de informação tem a ver com o cidadão, não com o dono do jornal. Os donos dos meios falam da liberdade da informação para manterem a liberdade de serem donos do meio de informação"

Savio explica que o Fórum Mundial de Mídia Livre surgiu devido à falta de interesse dos meios de comunciação tradicionais em realizar a cobertura do Fórum Social Mundial. "O fórum não entrou na agenda política, por assim dizer. Como resultado, os meios tradicionais perderam seu interesse". Com a falta de participação da imprensa tradicional, outros grupos passaram a se responsabilizar pelo processo, surgindo a necessidade de um espaço organizativo.

O Fórum de Mídias Livres realizado em Tunis é a quarta edição do evento e com cerca de 40 entidades que participam da cobertura colaborativa. Ao todo cerca de300 comunicadores participam do evento, que discute princípios e ações estratégicas para promover uma comunicação democrática e as mídias livres em todo mundo.

A escolha de Tunis, pela segunda vez, para sediar o evento ocorre em um momento em que o país busca consolidar a democracia após dar início à Primavera Árabe em 2011. Francesco Diasio, secretário-geral da Associação Mundial de Rádios Comunitárias (Amarc) destacou a importância da regulação dos meios audiovisuais nesse processo.

“Tunis, hoje, representa um laboratório de democracia, é o primeiro estado que tem uma autoridade de regulação verdadeiramente independente”

Nesta segunda-feira (23), a Amarc realizou, em Tunis, uma reunião para discutir a regulação dos meios de comunicação na África e no Oriente Médio com o objetivo de promover a troca de informações entre os países da região e levar a experiência de Tunis para esses locais.

Fonte: EBC

#internacional