Buscar

Cordão da Bola Preta comemora 97 anos neste carnaval


Rio de Janeiro

O Cordão da Bola Preta, considerado o maior bloco de carnaval de rua do país, comemorou neste sábado (14) 97 anos, com desfile no centro do Rio de Janeiro, com o tema 450 Anos da Capital Fluminense. A comemoração teve direito a bolo e parabéns para a cidade.

Na manhã de hoje (01), o bloco Cordão do Bola Preta, um dos maiores blocos de rua do carnaval carioca, desfilou pela Avenida Rio Branco, centro do Rio.

Durante o desfile, foi feita paradinha estratégica para um grito de carnaval contra as drogas, resultado de parceria da Bola Preta com a Associação Brasileira de Alcoolismo e Drogas (Abrad). A entidade promoveu no domingo (8), com a participação de músicos do bloco, o décimo-segundo desfile da banda Alegria sem Ressaca, pela orla de Copacabana. Integrada por dependentes químicos em tratamento, ex-dependentes, parentes, profissionais do setor, a Alegria sem Ressaca defende que ninguém precisa usar drogas ou abusar de bebida alcoólica para se divertir.

Terapeutas em dependência química, formados no curso gratuito oferecido pela Abrad na Câmara Comunitária da Barra da Tijuca, tratarão os usuários de drogas carentes na sede do Cordão da Bola Preta ainda no início deste ano. “Carnaval é folia, mas com responsabilidade também”, disse o presidente do bloco, Pedro Ernesto Marinho. “É um ato social. Eu acho que a sociedade tem que se unir para cobrar do governo o mínimo indispensável, mas cada um tem que fazer um pouquinho também porque no final, somando tudo, a gente vai chegar a um país bem melhor para todos nós”.

Marinho ressaltou que o grito contra as drogas deve ser permanente e contar com a adesão de toda a população. “As pessoas estão invertendo os valores. Acho que têm muitas formas de você viver, ser alegre, brincar o carnaval, curtir, ser feliz, sem a necessidade de misturar tudo isso com drogas. Droga não acrescenta nada à vida de ninguém. Pelo contrário, o que mais se vê aí é a droga flagelando as famílias, acabando com o sonho de jovens", disse o presidente da Bola Preta.

Além das tradicionais fantasias com tecidos de bolas, grupos diversos coloriram a Avenida Antônio Carlos durante o desfile. Os homens das cavernas do grupo Uga, Uga Catiri, de Bangu, fizeram sucesso. Havia também chinesas transformistas, Pedritas estilizadas, gregos. Não faltaram manifestações de amor e beijaços. Eduardo Silva desfila pela primeira vez na Bola Preta, no grupo dos Gregos da Ilha do Governador, formado por 11 pessoas entre homens e mulheres. “Hoje é a minha primeira vez. Estou achando bem legal, estou bastante empolgado. Carnaval é só uma vez por ano e a gente tem que aproveitar”.

Por causa das obras na cidade, este foi o único desfile do Cordão da Bola Preta no Carnaval 2015. A agremiação não pôde ocupar a Avenida Rio Branco, como faz tradicionalmente, e saiu na Avenida Antônio Carlos, iniciando o desfile na Praça

Quinze. A estimativa dos organizadores é que o evento contou com mais de 2 milhões de foliões de todas as idades. Trinta músicos integram a bateria da Bola, que tem a cantora Maria Rita como madrinha e o puxador de samba Neguinho da Beija Flor como padrinho. A porta-estandarte é a atriz Leandra Leal.

Amanhã (15), a partir das 23h, o Cordão da Bola Preta fará uma série de bailes em sua sede na Lapa. Na terça-feira de carnaval (17), à tarde, haverá um baile infantil. O

Cordão da Bola Preta foi fundado em 1918 por Álvaro Gomes de Oliveira, o

Caveirinha; Francisco Brício Filho, o Chico Brício; além de Eugênio Ferreira, João Torres e os irmãos Jair, Joel e Arquimedes Guimarães Oliveira Roxo. O nome do bloco foi escolhido por Caveirinha ao ver passar uma mulher usando vestido branco com bolas pretas.

O bloco é tombado como Patrimônio Cultural Carioca por ser um dos mais antigos do carnaval brasileiro e o último remanescente dos antigos cordões carnavalescos que existiam no Rio de Janeiro, no início do século 20, de acordo com informação da assessoria de imprensa da agremiação.

Foto: Cordão da Bola Preta entra na campanha contra o uso de drogas, uma parceria com a AbradTânia Rêgo/Agência Brasil

Agência Brasil

#mais