Buscar

Anuário afirma que maioria dos brasileiros já viaja de avião


0be2250b-57c2-46da-9226-c81eb9d8d897.jpeg

De acordo com os dados do Anuário do Transporte Aéreo 2013, divulgado pela Agência Nacional de Aviação Civil (Anac), a maior parte da população brasileira já usa o avião como meio de transporte. No ano passado, foram transportados 111 milhões de passageiros no País, um aumento de mais de 200% em relação a 2004. Desses, 90 milhões foram em voos domésticos.

Segundo o ministro da Aviação Civil, Moreira Franco, é como se 55% dos brasileiros tivessem voado no ano passado, contra 23% em 2004. Desde 2010 o avião passou o ônibus como meio de transporte mais utilizado em viagens interestaduais de mais de 75 quilômetros de distância.

“Isso significa que estamos num caminho persistente para consolidar a aviação no Brasil. O avião se torna mais competitivo, e se firma diante de outros modais. Outro fator importante é o preço da passagem”, definiu.

Ainda de acordo com o ministro, os números traduzem um esforço enorme das equipes da Anac e da Secretaria de Aviação Civil (SAC), em relação à formulação política, de acompanhamento e de mobilização do setor aéreo.

Segundo o anuário divulgado pela Anac, apesar da forte expansão na demanda, os percentuais de atrasos superiores a 30 minutos e a uma hora foram os menores registrados desde 2004: 7,9% e 3,1% respectivamente – redução de 28,9%. Os índices estão dentro do padrão internacional de pontualidade: na União Europeia, o índice de atrasos superiores a meia hora verificado em 2013 foi de 7,6%.

Os preços das passagens também sofreram redução na última década, de acordo com o anuário. O indicador registrou uma diminuição de 48% nos valores cobrados pelas empresas aéreas. Além disso, mais da metade das passagens vendidas no ano passado custaram menos de R$ 300. Também foi constatado que a tarifa média doméstica foi de R$ 326,72.

“As empresas, porém, ainda têm dois custos muito altos: a taxa de câmbio e o preço do combustível. A partir daí, elas começaram a fazer um ajuste de oferta, para ter uma ocupação maior em suas aeronaves. Elas têm se ajustado”, afirmou o diretor-presidente da Anac, Marcelo Guaranys.

Foto: Divulgação/EBC - Percentuais de atrasos superiores a 30 minutos e a uma hora foram os menores registrados desde 2004

Fonte:

Agência Nacional de Aviação Civil

#mais