Buscar

Prêmio Jovem Cientista atrai cada vez mais participantes


Um dos principais reconhecimentos entre a comunidade científica brasileira, o Prêmio Jovem Cientista recebe números recordes de inscritos. Em 2013, foram 3.226 no total.

A quantidade de participantes entre estudantes de nível médio não para de crescer: subiu de 1.826 inscrições em 2009 para 2.541 no ano passado.

A edição de 2013 foi também a que registrou a maior quantidade de inscritos entre estudantes de nível superior desde a criação do prêmio, em 1981.

Neste ano, o desafio da Segurança Alimentar e Nutricional é o tema do Jovem Cientista. Os interessados podem concorrer em três categorias: Mestre e Doutor; Estudante de nível superior e Estudante de nível médio.

As inscrições estão abertas até 19 de dezembro e a premiação varia de R$ 15 mil a R$ 30 mil para a categoria Mestre e Doutor e de R$ 10 mil a R$ 15 mil para os estudantes de nível superior. Os vencedores na categoria estudante de nível médio recebem um laptop cada.

Pesquisa científica

Primeiro colocado na última edição do prêmio Jovem Cientista entre os estudantes de nível superior, José Leôncio de Almeida resolveu participar do prêmio por se identificar com o temática proposta em 2013: ‘Água: desafios da sociedade’.

Natural da região do semiárido nordestino, o então estudante de agronomia da Universidade Federal Rural do Semiárido (Ufersa), desenvolveu uma metodologia para colaborar com a capacidade produtiva de alimentos na localidade onde ocorre um dos principais problemas de falta d’água no País.

“Por meio da redução da salinidade da água da região, encontramos uma alternativa para irrigação do milho e do sorgo. Isso resultou em uma economia em torno de 85% para a agricultura local. A intenção é tornar viável esta pesquisa para uma das regiões do Nordeste que mais sofre com a falta de recursos hídricos”, destacou.

O estudante afirmou, ainda, que a conquista do Jovem Cientista o motivou a continuar sua carreira como pesquisador. Já formado, José Leôncio é hoje aluno do Mestrado da Escola Superior de Agricultura ‘Luiz de Queiroz’, ligada à Universidade de São Paulo (USP).

Um dos vencedores do Prêmio Jovem Cientista em 2013, José Leôncio de Almeida desenvolveu metodologia que permite o melhor aproveitamento da água na região do semiárido nordestino. Foto: Acervo Pessoal

Importância da tecnologia para o desenvolvimento do País

Para o presidente do Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico (CNPq), Glaucius Oliva, o papel fundamental do prêmio é estimular jovens pesquisadores.

“Sem tecnologia e conhecimento não será possível proporcionar condições adequadas de sobrevivência para a população brasileira. Nossas conquistas estão todas relacionadas à nossa produção científica e formação de capital humano. O prêmio possui nove premiados, mas o impacto decorrido da participação dos mais de três mil jovens é a ação motivadora e educadora mais importante desta iniciativa”, destaca Oliva.

Em relação ao tema do prêmio em 2014, Glaucius defende que pesquisas na área de segurança alimentar podem ter grande contribuição para o desenvolvimento do Brasil, que é o quarto maior produtor de alimentos do mundo.

De acordo com presidente, a redução do desperdício por meio do desenvolvimento de novas tecnologias de produção, armazenamento e distribuição de alimentos é ainda um dos grandes desafios que o Brasil enfrenta.

Premiação

O Prêmio Jovem Cientista é uma das principais premiações da área científica no Brasil. Criado na década de 1980 pelo CNPq, a iniciativa tem como objetivo revelar talentos e estimular a pesquisa científica no País, além de investir em estudantes e jovens pesquisadores que apresentem projetos inovadores para os desafios atuais.

Foto: Acervo pessoal do Portal Brasil - Um dos vencedores do Prêmio Jovem Cientista em 2013, José Leôncio de Almeida desenvolveu metodologia que permite o melhor aproveitamento da água na região do semiárido nordestino

Fonte: Portal Brasil, com informações do Blog do Planalto / Rede Mundo

#cienciaetecnologia