Buscar

Festa de dois anos para Paralimpíadas movimenta Parque do Flamengo


O Comitê Organizador dos Jogos Rio 2016 comemorou, neste domingo (7), a marca de dois anos para o início dos Jogos Paralímpicos Rio 2016. Em uma quadra no Parque do Flamengo, um dos principais cartões-postais do Rio de Janeiro, as seleções brasileiras de goalball, atual campeã mundial, e voleibol sentado, vice-campeã mundial, se uniram a representantes da “Geração de Prata” do voleibol olímpico brasileiro e interagiram com torcedores, transmitindo os valores paraolímpicos.



“Hoje é um dia de festa e nada mais justo do que convidarmos os atletas para celebrar conosco. Agradeço a todos que vieram e participaram com satisfação deste momento, pois é muito importante que o público tenha cada vez mais conhecimento sobre os esportes paraolímpicos. Contamos com a integração de toda população na nossa missão de entregar os Jogos Paralímpicos Rio 2016”, disse o presidente do Comitê Rio 2016, Carlos Arthur Nuzman. O ministro do Esporte, Aldo Rebelo, também participou do evento.



No local, o público pôde acompanhar e participar de partidas de goaball e voleibol sentado, jogando ao lado de integrantes das seleções brasileiras dos esportes. O ponto alto da experimentação ocorreu em um animado duelo entre a seleção brasileira de voleibol sentado e seis integrantes da “Geração de Prata” do voleibol brasileiro, equipe que teve enorme contribuição no crescimento da modalidade do País, conquistando, há 30 anos, nos Jogos Olímpicos de Los Angeles, a primeira medalha olímpica do voleibol brasileiro. Bem dispostos, os medalhistas olímpicos perderam por 2 a 0, mas ainda tiveram fôlego para encarar um duelo no goalball, proposto na hora por integrantes da seleção brasileira do esporte.



“Foram experiências bem diferentes para nós”, contou Fernandão, que jogou ao lado de Amauri, Montanaro, Bernard, Badá e Maracanã. “Foi nosso primeiro contato com estes esportes e tivemos bastante dificuldade em nos familiarizar com as regras e características deles. O alto nível dos atletas me impressionou. Mostra que qualquer um, tendo deficiência ou não, pode ser bem sucedido no esporte se tiver dedicação”, comentou o atacante, satisfeito por fazer parte da celebração no Parque do Flamengo.



“Neste ano, comemoramos 30 anos da medalha de prata, que teve um grande impacto no esporte olímpico brasileiro. Cada vez que somos convidados para um evento, ficamos felizes e honrados, mas hoje o mais importante foi homenagear estas grandes equipes do esporte paraolímpico brasileiro”, completou.



Pela seleção de voleibol sentado, atual vice-campeã mundial, participaram do evento Renato Leite, Fred Doria, Gilberto Lourenço, Wellington Platini, Vagner da Silva, Wescley Conceição, Diogo Rebouças e José Mauro Vilarinho.



Um dos mais experientes atletas da seleção brasileira de goalball, Zé Roberto, de 33 anos, divertiu-se com a experiência junto ao público. Bem humorado, instruiu os torcedores que participaram e protagonizou lances de categoria nas partidas.



“É um momento muito especial para o esporte paraolímpico brasileiro e todos os atletas gostariam de participar, então estamos muito honrados por fazer parte dele. É uma oportunidade importante para apresentarmos o goalball à sociedade. Foi bom perceber que as pessoas que participaram saíram daqui satisfeitas, entendendo melhor o esporte e mais interessadas nele”, explicou Zé Roberto, que representou a seleção de goalball ao lado de Gaúcho, Leomom, Leandro, Alex, José Márcio e do técnico Alessandro Tosim.



O público que circulou pelo local, umas das mais importantes áreas de lazer e prática esportiva da cidade, não perdeu a oportunidade de entrar em contato com os esportes paraolímpicos, sentindo mais de perto a energia dos Jogos Rio 2016. Andreia Jost, analista de sistemas, participou das experimentações nos dois esportes e saiu do evento encantada.



“Não conhecia o goalball e fiquei impressionada. Achava que não conseguiria defender a bola nenhuma vez utilizando só a audição, mas consegui fazer duas defesas. Nunca pensei que tivesse a capacidade de fazer isso tendo apenas poucos minutos de contato com o esporte”, revelou.



Bárbara Flores, que foi ao evento para se inscrever no programa de voluntários dos Jogos Rio 2016, também participou das partidas de goalball e ficou admirada por acompanhar de perto o esporte paraolímpico.



“É uma grande lição. O esporte mostra que possuir uma deficiência não quer dizer que a vida acabou. Com dedicação, é possível se sair bem em qualquer área e ter um nível de qualidade de vida igual ao de qualquer outra pessoa. Não conhecia os esportes paraolímpicos e gostei bastante da experiência”, concluiu.



Comitê Paralímpico Internacional comemora a data

O Comitê Paralímpico Internacional (IPC, da sigla em inglês) também comemorou a marca de dois anos para os Jogos Rio 2016. Presidente da entidade, o britânico Sir Philip Craven enalteceu a importância da realização dos primeiros Jogos na América do Sul para a difusão do Movimento Paralímpico.



“Os Jogos Rio 2016 levarão o espírito e a força paraolímpica a um novo continente. Acredito que os Jogos podem transformar não só o Rio e o Brasil, mas todo o continente americano e o Movimento Paralímpico. Os próximos dois anos vão contribuir muito para o crescimento do esporte paraolímpico nas Américas, com os Jogos Parapan-Americanos de Toronto e os Jogos Paraolímpicos Rio 2016. Acredito que a atmosfera colorida e vibrante criada pelos cariocas levará os atletas paraolímpicos a um novo nível. Isso ajudará a gerar repercussão em todo o mundo e a mudar as percepções e atitudes das pessoas em relação à deficiência”, declarou.



Foto: Partida de goalball no Parque do Flamengo fez parte das comemorações



Fonte: Portal Brasil, com informações do Brasil 2016

#esporte