Buscar

Henrique Alves lamenta morte de Suassuna e diz que país fica órfão de um poeta


O presidente da Câmara, Henrique Eduardo Alves (PMDB-RN), lamentou a morte do escritor Ariano Suassuna, ocorrida hoje (23) no Recife. Alves ressaltou a genialidade da obra e a grande falta que o escritor fará à cultura nacional. “O país e a cultura brasileira ficam órfãos de um poeta e um dramaturgo genial, que representou como poucos a cultura popular e o espírito nordestino”, diz nota do presidente da Câmara.


De acordo com Alves, Ariano Suassuna se tornou uma referência da genialidade e da sabedoria do povo nordestino com obras como A Pedra do Reino e Auto da Compadecida. “Ele soube traduzir os sentimentos e a vida do cidadão comum do sertão em poemas e obras dramatúrgicas que se tornaram ícones da produção literária brasileira”, diz outro trecho da nota do parlamentar.


Henrique Alves manifestou condolências à família de Ariano Suassuna e a todos os admiradores do poeta e escritor. Suassuna morreu em decorrência de um acidente vascular cerebral (AVC) hemorrágico, aos 87 anos.


Foto: Valter Campanato/ABr

Agência Brasil - Repórter Iolando Lourenço / Rede Mundo

#cultura