Buscar

CPI da Petrobras ouvirá gerente sobre a refinaria Abreu e Lima


A CPI do Senado que investiga irregularidades na Petrobras volta a se reunir na quarta-feira (16), às 10h15, para ouvir o gerente-geral de Implementação de Empreendimentos da companhia, Glauco Colepicolo Legati. Ele deve dar explicações sobre as denúncias de superfaturamento na construção da refinaria Abreu e Lima, também conhecida como Refinaria do Nordeste (Rnest). A obra, ainda em andamento, fica no município de Ipojuca, na Região Metropolitana de Recife.


Alvo de investigação do Tribunal de Contas da União (TCU), a unidade industrial teve em 2005 o seu custo estimado em US$ 2,5 bilhões. Mas, segundo a Petrobras, deve ser concluída até o fim de 2014, com três anos de atraso e um investimento total de quase US$ 20 bilhões, conforme a presidente da estatal, Graça Foster.


Já ouvido pela CPI, um dos acusados pelo superfaturamento na obra, o ex-diretor de Abastecimento da Petrobras Paulo Roberto Costa disse que a empresa errou ao divulgar dados preliminares relativos ao custo do empreendimento.


- Esse dado era preliminar. A Petrobras errou ao informar esse número. Não podia ter sido divulgado - disse aos senadores, referindo-se aos US$ 2,5 bilhões.


Paulo Roberto Costa foi preso em março na Operação Lava Jato, da Polícia Federal, chegou a ser solto, mas voltou a cumprir prisão preventiva em junho.

Adiamento


O depoimento de Glauco Legati estava marcado para a quarta-feira passada (9), mas foi adiado pelo presidente da CPI, senador Vital do Rêgo (PMDB-PB), que alegou a dificuldade de deslocamento enfrentada pelos integrantes da comissão devido à realização dos jogos da Copa do Mundo e à não previsão de sessões deliberativas durante a semana no Senado e na Câmara.


Naquela data estava prevista também a oitiva do presidente do Sindicato dos Petroleiros do Norte Fluminense (Sindipetro-NF), que falaria sobre falhas de segurança em plataformas de exploração de óleo e gás da estatal brasileira. O depoimento de José Maria ainda terá a data definida pela CPI.


A comissão de inquérito exclusiva do Senado funciona com a participação somente de senadores aliados do governo. Os oposicionistas adotaram a estratégia de integrar somente a CPI Mista, que tem reunião marcada para quarta-feira (16), com quase 400 requerimentos pendentes de votação.


Agência Senado / Rede Mundo

#politica