Buscar

Ministério divulga projetos prioritários na área naval


Fatia de 90% do total de R$ 4,2 bilhões empenhados é passível de financiamento com recursos do Fundo da Marinha Mercante


O Ministério dos Transportes publicou na edição desta quarta-feira (25) do Diário Oficial da União a lista de projetos considerados prioritários para receber apoio financeiro do Fundo de Marinha Mercante (FMM). A lista engloba um total de 118 projetos definidos pelo Conselho Diretor do Fundo em reunião no início do mês de maio, em Brasília.


Conforme a Resolução nº 132, um total de R$ 4,2 bilhões em projetos de 14 empresas foi aprovado pelo Conselho Diretor do Fundo. Segundo as regras do próprio fundo, até 90% desse valor é passível de financiamento com recursos do FMM, com exceção das embarcações para o transporte de passageiros em que é possível o financiamento integral dos barcos, devido ao relevante interesse social. A definição do percentual de financiamento depende do conteúdo nacional de cada projeto e do tipo da embarcação, nos termos das regras previstas na Resolução n° 3.828/2009, do Conselho Monetário Nacional.


A partir da publicação do resultado da reunião no Diário Oficial da União, as empresas terão 360 dias para efetivar a contratação dos projetos com os agentes financeiros, o que possibilitará o início do repasse dos recursos. A próxima reunião (26ª) do Conselho será realizada no próximo dia 29 de agosto.

Construção Naval


A indústria de construção naval brasileira passa por um momento de prosperidade, com crescimento tanto em tonelagem de processamento de aço quanto no número de empregos gerados. Em 2000, o setor gerou 1.910 postos de trabalho, chegando a 78 mil empregos diretos em 2013.


Os investimentos em embarcações totalizaram R$ 3,7 bilhões em 2013, e em estaleiros, R$ 1,3 bilhão. Ano passado, foram entregues 77 embarcações - 44 para navegação interior, 21 para apoio offshore, 8 para apoio portuário e 4 para cabotagem.

Fonte: Portal Brasil, com informações do Ministério dos Transportes / Rede Mundo

#economia